A DISPUTA DE PODER NO PT EXPÕE UM RACHA INÉDITO NA HISTÓRIA DO PARTIDO

26-04-2014 09:23

 

REPORTAGEM DE VEJA DESTA SEMANA MOSTRA QUE INTRIGAS, AMEAÇAS, TRAIÇÕES E CORRUPÇÃO PODEM COLOCAR EM RISCO A REELEIÇÃO DA PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF

Daniel Pereira e Adriano Ceolin

 

A queda de popularidade de Dilma nas pesquisas tira o PT do prumo (Roberto Castro)

A presidente Dilma Rousseff enfrenta um momento inédito de fragilidade. Além de ter problemas na economia, como o crescimento baixo, a inflação persistente e o desmantelamento do setor elétrico, ela perdeu apoio popular e força para barrar, no Congresso, iniciativas capazes de desgastá-la. A aprovação ao governo caiu a um nível que, segundo os especialistas, ameaça a reeleição. Partidos aliados suspenderam as negociações para apoiá-la na corrida eleitoral. Já os oposicionistas conseguiram na Justiça o direito de instalar uma CPI para investigar exclusivamente a Petrobras. Acuada, Dilma precisa mais do que nunca da ajuda do PT, mas essa ajuda lhe é negada. Aproveitando-se da conjuntura desfavorável à mandatária, poderosas alas petistas pregam a candidatura de Lula ao Planalto e conspiram contra a presidente. O objetivo é claro: retomar poderes e orçamentos que foram retirados delas pela própria Dilma. A seis meses da eleição, o PT está rachado entre lulistas e dilmistas — e, para os companheiros mais pragmáticos, essa divisão, e não os rivais Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), representa a maior ameaça ao projeto de poder do partido.

 

Os dois lados de um mesmo problema

Os dois lados de um mesmo problema

 
"Se alguns setores, seja por que motivo for,
instilarem desconfiança, especialmente 
desconfiança injustificada, isso é muito ruim. 
A guerra psicológica pode inibir investimentos 
e retardar iniciativas."
Presidente Dilma Rousseff
 
"Hoje você tem um problema, que é: o povo 
quer mais. Poderíamos estar melhor. E a Dilma 
vai ter de dizer isto claramente na campanha: 
como vamos melhorar a economia brasileira."
Ex-presidente Lula Lula

 

 

 

Com carreira política construída na resistência à ditadura militar e posteriormente no PDT, Dilma nunca teve alma petista. Ao assumir a Presidência, ela herdou boa parte da cúpula do governo Lula, como ministros, dirigentes de estatais e até a então chefe do escritório da Presidência em São Paulo, Rosemary Noronha. O governo era de continuidade mesmo nos nomes escalados para comandar o país. O plano de Dilma era dar uma feição própria à sua gestão de forma gradativa, reduzindo a influência do antecessor ao longo do tempo. Antonio Palocci, seu primeiro chefe da Casa Civil, ilustrou a estratégia: “No primeiro ano de mandato, será um governo Lula-Dilma. No segundo, um governo Dilma-Lula. No terceiro, será Dilma-Dilma”. Esse cronograma, no entanto, foi atropelado pelos fatos. Já em 2011 a presidente foi obrigada a demitir seis ministros acusados de corrupção e tráfico de influência — quatro deles egressos do governo anterior. Dilma se mostrava intransigente com os malfeitos, ao contrário de Lula, acostumado a defender políticos pilhados em irregularidades. Com a chamada faxina ética, ela atingiu recordes de popularidade e conseguiu força para tirar das mãos de notórios esquemas partidários setores estratégicos da administração. Nem mesmo o PT foi poupado nessa ofensiva.

O partido perdeu terreno em fundos de pensão e na Petrobras, que teve sua diretoria reformulada em 2012. A faxina ética era acompanhada da profissionalização da gestão. Com essas mudanças, muitos petistas estrelados, como o mensaleiro preso José Dirceu, perderam influência. Havia um distanciamento crescente entre a presidente e a engrenagem partidária, mas Lula mantinha o PT unido e silencioso. Ele alegava que a “mídia conservadora” — ao exaltar as demissões promovidas pela sucessora, com o intuito claro de atacá-lo — ajudava Dilma a conquistar eleitores que historicamente tinham aversão ao PT. Ou seja: a comparação entre os dois beneficiava o partido. Se alguns petistas registravam prejuízos em casos isolados, o conjunto estava sendo fortalecido. Esse discurso manteve a companheirada sob controle até 2013, quando a popularidade da presidente despencou devido à inflação e às manifestações populares de junho. Petistas, então, passaram a criticar Dilma, conspirar contra ela no Congresso e defender a candidatura de Lula. A cizânia interna se desenhava, mas ainda era incipiente e restrita aos bastidores. Esse dique foi rompido pelo escândalo da Petrobras.

Hoje, o PT testemunha uma batalha pública e cruenta entre a soldadesca dos dois presidentes. Palocci não previu, mas o último ano de mandato também tem seu epíteto: governo Dilma versus Lula.

 

VEJA



Contacto

Sento Sé em Foco

Sento Sé,Ba

OTempo Agora em

 

Sento Sé

Notícias

Entenda a caça aos celulares piratas iniciada pela Anatel

27-04-2014 18:19
Está aberta a temporada de caça aos piratas! Ainda em fase experimental, a Agência Nacional de Telecomunicações anunciou o início das operações do Sistema Integrado de Gestão de Aparelhos, que vai rastrear celulares não homologados e coletar informações sobre suas atividades. A ação também vale...

Fifa exclui Roberto Carlos da Copa. Entenda a polêmica.

27-04-2014 10:21
  REI FORA Excluído da festa Azedaram as relações entre a Fifa e a Sony, patrocinadora da Copa, depois da escolha dos artistas que cantarão as músicas do Mundial. Roberto Carlos, principal artista da gravadora no Brasil, ficou de fora do CD e de qualquer participação na cerimônia...

A DISPUTA DE PODER NO PT EXPÕE UM RACHA INÉDITO NA HISTÓRIA DO PARTIDO

26-04-2014 09:23
  REPORTAGEM DE VEJA DESTA SEMANA MOSTRA QUE INTRIGAS, AMEAÇAS, TRAIÇÕES E CORRUPÇÃO PODEM COLOCAR EM RISCO A REELEIÇÃO DA PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF Daniel Pereira e Adriano Ceolin   A queda de popularidade de Dilma nas pesquisas tira o PT do prumo (Roberto Castro) A presidente...

Técnico da Seleção confirma nomes de nove jogadores para a Copa

26-04-2014 01:30
  Durante palestra, Felipão disse que Julio Cesar, Fred, Thiago Silva, David Luiz, Ramires, Oscar, William, Paulinho e Neymar estarão na Copa.   O torcedor brasileiro ficou sabendo, nesta quinta-feira, os nomes de nove dos 23 jogadores que serão convocados por Luiz Felipe Scolari no...

Caixa Econômica Federal divulga resultado preliminar de concurso

25-04-2014 22:24
Caixa Econômica Federal divulga  resultado preliminar de concurso                 Concurso da Caixa Econômica Federal divulgou o  resultado preliminar das provas objetivas e as notas  da prova...

Bolsonaro apresenta proposta ao PP para concorrer à Presidência da República Ler mais: http://sentoseemfoco.webnode.com.br/ Crie o seu website grátis: http://www.webnode.pt

25-04-2014 21:41
Deputado quer que o partido o escolha para disputar  o cargo nas eleições deste ano Ler mais:  BRASÍLIA - O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) disse nesta quarta-feira ao GLOBO que quer ser candidato a presidente da República nas eleições deste ano. No Facebook, já existe uma página...

Questionário

Você gostou do nosso site?

SIM (108)
82%

NÃO (13)
10%

MAIS OU MENOS (10)
8%

Total de votos: 131